Certa madrugada fria irei de cabelos soltos ver como crescem os lírios. Quero saber como crescem simples, belos e perfeitos!Ao abandono nos campos...

quinta-feira, julho 05, 2012



Ontem voltei a ver-te.
Senti o teu olhar a procurar-me numa sala cheia de gente... Como é possível ainda teres esse poder em mim.
Raios... ainda me consegues fazer estremecer só com o olhar.
Numa fracção de segundos pensei: "Não sorrias por favor..."
Tarde demais... lançaste-me um sorriso que desarma até o exército norte americano.
Levantas o braço em sinal que queres conversar. Faço-te sinal para esperares, a aula está quase no fim...
Olho-te de soslaio, ainda consigo vislumbrar aquele menino por quem me apaixonei um dia, estás mais velho é certo, os cabelos vão começando a esbranquiçar, os ombros estão  arqueados, afinal a vida também te pesou...
Como num filme, o passado passa-me à frente, sem legendas, só com imagens.
Nada do que tens para me dizer será novidade, conheço a tua conversa.
Que não me esqueceste, que me queres de volta, que sempre me amaste...
Mas a única coisa que vais conseguir é fazer  renascer em mim a dor, a desilusão, a mágoa, a tristeza...
Olho-te mais uma vez, vejo-te triste... sinto-te perdido...
.... Saio apressada do ginásio, é tarde...  estás parado na minha frente, numa mão seguras o cigarro quase apagado na outra o velho isqueiro  roda à velocidade das batidas do coração.
Pergunta-me: "Podemos falar?"
Respondo: "Hoje não, é tarde, estou cansada...!"

Hoje lembrei-me de um soneto da Florbela Espanca... que demonstra bem o que sinto.

"Ódio por Ele? Não ... Se o amei tanto,
Se tanto bem Ihe quis no meu passado,
Se o encontrei depois de o ter sonhado,
Se à vida assim roubei todo o encanto,

Que importa se mentiu? E se hoje o pranto
Turva o meu triste olhar, marmorizado,
Olhar de monja, trágico, gelado
Com um soturno e enorme Campo Santo!

Nunca mais o amar já é bastante!
Quero senti-lo doutra, bem distante,
Como se fora meu, calma e serena!
Ódio seria em mim saudade infinda,
Mágoa de o ter perdido, amor ainda!
Ódio por Ele? Não... não vale a pena ..."

 

 

10 comentários:

Jingas disse...

Tornaste-me espectadora desse momento, de tão bem retratado que está.

Força aí :)

s disse...

Nos sentimentos não temos a capacidade de desligar e apagar, simplesmente eles existem e têm o seu peso, pode ser que com o tempo eles pesem menos. Não deves é deixar de viver, amarrada a um passado que traz somente recordações, boas ou más, só tu tens a resposta.

Parabéns pelo poema.

Este texto só prova que amas-te alguém e agora mereces ser feliz, coragem e nunca desistas de ser feliz.

beijinhos.

Anónimo disse...

Sempre a fugir...

s disse...

Devemos fugir de quem nos magoa ou devemos permitir que nos magoem ainda mais?

Eu sei a resposta, não se incomodem.

homem sem blogue disse...

o teu relato faz com que me imagine a assistir a tudo

homem sem blogue
homemsemblogue.blogspot.pt

MS disse...

Apesar de triste adorei este teu texto!
A forma sentida como descreves tudo...
Força e grande beijinho!

LIRIO SELVAGEM disse...

HSB, ainda bem que não estavas... não foi bonito de se ver.

homem sem blogue disse...

agora sou eu que digo. E se lá estivesse com uma faixa a dizer: "sou o HSB!" :)

s disse...

Acho que nunca é bonito, nem nunca devia acontecer, mais mágoa e outros sentimentos traz, :(

LIRIO SELVAGEM disse...

Se lá estivesses HSB seria no minimo engraçado.