Certa madrugada fria irei de cabelos soltos ver como crescem os lírios. Quero saber como crescem simples, belos e perfeitos!Ao abandono nos campos...

quinta-feira, abril 18, 2013

A esmagadora maioria das relações soçobra por excesso de eufemismos. Por alguém dizer “incomoda-me” quando devia dizer “deixa-me devastado”; por alguém dizer “peço-te que me expliques” quando devia dizer “exijo-te uma puta de uma explicação”; por alguém dizer “gostaria que não voltasses a fazer isso porque me magoa” quando devia dizer “pára com essa merda porque senão dou-te um tiro nos cornos”.
Nada mata mais um amor do que um eufemismo.
Nada mata mais uma relação do que um eufemismo.
O amor é a única unidade lexical que não permite eufemismos.
Nem no dicionário (que, como se sabe, tem habitualmente uma forma gélida de olhar para as palavras) eufemismo vem antes de amor. Colocando ao contrário: até no dicionário eufemismo vem depois de amor.

... Eufemismo vem sempre depois de amor: quando um começa a chegar o outro começa a ir.

Se não permite eufemismos: então é amor.

{Pedro Chagas Freitas}
in livro por editar


16 comentários:

O Mesmo Gajo disse...

Logo vi que não eram palavras tuas...

Mariposa Colorida disse...

Gosto muito do Pedro Chagas Freitas e penso que este texto está absolutamente correcto!

Carpe diem to me disse...

Fantástico! :)

LIRIO SELVAGEM disse...

Obrigada Gaijo, sei que posso sempre contar contigo.

Desde que mudaste de foto os musculos subiram-te à cabeça.

Maria disse...

Excelente partilha...concordo em absoluto com o texto!
Bjs
Maria

Suricate disse...

Concordo na integra:)...mas depois há o outro lado da medalha que é quando pegamos o touro pelos cornos e dámos os nomes certos às coisas, dizerem que somos pessoas frias e que as nossas palavras cortam como facas e doi(ainda não deu para perceber, que falo de mim pois não?!)...mas somos capazes de também por essa clareza de rasgar a alma por quem precisa de nós, e quando amamos, amamos sentimo-lo, dizêmo-lo e fazêmo-lo sem medos, não importa nem quando, nem onde...pronto já disse, desculpa o testamento...isto sou eu a descarregar adrenalina acumulada...hoje arrasto o mundo na ponta dos dedos se for preciso.

Gosto de ti.

jinhosssssss

Eve disse...

normalmente quando escolhemos ser directas somos acusadas de insensiveis e cabras... daí o muito uso de eufemismos

Flow disse...

Este Pedro... nem sei... fico sem palavras :)
Beijinho

Libelinha disse...

Eu como entendo pouco de eufemismos... Fico-me pelo amor ;)

G. disse...

Quando comecei a ler pensava que era da tua autoria, até que vi que era do Pedro Chagas Freitas.

Como sabes adoro o que escreves e o Pedro escreve muito bem, sem qualquer dúvida. E já há aí outro a escrever tb bem, e com nome Pedro...

Que raio, só Pedro's na minha vida!!;)

LIRIO SELVAGEM disse...

Não conheço o outro Pedro, quem é G.?

Somente EU disse...

Não preciso de disser nada, pois não.

Digo uma, gosto mais das tuas palavras.

beijinhos e bom fim-de-semana.

NightDark disse...

Ser politicamente correcto é uma forma educada de nos exprimirmos ;)

Canca disse...

Belíssimo e tão verdadeiro, sempre achei que quando há muito cor-de-rosa é porque a "coisa" está a ficar negra, não gosto cá de paneleirices, se é para falar que se digam as coisas com as palavras todas!

Beijinhos

G. disse...

Pedro Rodrigues, que é de Coimbra.
O blogue dele:http://pedrodrigues.blogspot.pt/2012/04/coimbra-dos-amores-coimbra-dos-doutores.html
Beijinhos. :)

G. disse...

Mas o Pedro Chagas Freitas é dos meus favoritos. Adoro simplesmente a escrita dele e as formas de escrita criativa que faz no facbeook. Nunca me inscrevi, mas um dia faço-o, para ver se tenho algum jeito. ;)